sexta-feira, 8 de novembro de 2013

NÚMEROS DE FLA X GOIÁS CAUSAM CONFUSÃO

 

Quando os telões do Maracanã anunciaram um público pagante de 49.421 torcedores no jogo entre Flamengo e Goiás, pela semifinal da Copa do Brasil, o sentimento foi de estranheza.

Quando os telões do Maracanã anunciaram um público pagante de 49.421 torcedores no jogo entre Flamengo e Goiás, pela semifinal da Copa do Brasil, o sentimento foi de estranheza. Dois dias antes, os ingressos para a partida destinados apenas à torcida do Flamengo foram considerados esgotados. De acordo com o informado inicialmente pelo clube, ainda na segunda-feira, a carga destinada aos rubro-negros era de 50.500. Superior, portanto, ao divulgado no Maracanã. O choque de números da partida entre Flamengo e Goiás, no entanto, não para por aí.

O Consórcio Maracanã S.A. trabalhava com uma carga total de 64.811 pessoas, destrinchada entre 50.480 para a torcida rubro-negra, 3.550 para torcedores do Goiás, 5.820 para gratuidades, deficientes e convênios e, por fim, 4.961 referentes às cadeiras cativas do estádio. Ainda que os ingressos tenham sido considerados esgotados, o público presente divulgado nos telões do Maracanã foi de 56.224. No detalhamento, 49.421 pagantes, 3.536 gratuidades e 2.440 cadeiras cativas. A soma destes últimos três valores chega a 55.397.

A diferença de 827 para o público presente divulgado não é explicada. Até o início da madrugada desta sexta-feira, o borderô da partida entre Flamengo e Goiás ainda não havia sido divulgado no site da CBF. O documento da partida entre Grêmio e Atlético-PR, disputada no mesmo horário, estava disponível desde a tarde de quinta-feira. Indagado pela reportagem sobre a diferença entre a carga total à venda para a torcida rubro-negra (50.480) e o público pagante divulgado (49.421), o Consórcio Maracanã se pronunciou, por e-mail, da seguinte maneira:

"A concessionária não divulgou total de ingressos vendidos antes da partida, nem esgotamento da totalidade dos ingressos", limitou-se a dizer o Consórcio.

Também em contato com a reportagem, o Flamengo, por meio de seu departamento de comunicação, afirmou que não se posiciona sobre a questão e que o único apto a fazê-lo é o Consórcio Maracanã. Mas, internamente, o clube agora trabalha com os números de que eram 49.771 ingressos à venda para sua torcida. Deste total apenas 350 teriam restado de compras efetuadas pela internet e que apresentaram problemas com o pagamento. Na terça-feira à noite, o clube colocou à venda, para sócios-torcedores, 800 ingressos que tiveram problema de pagamento em uma primeira tentativa.

Restariam, no entanto, os ingressos destinados à torcida do Goiás, em um total de 3.550. Até segunda-feira, cerca de 400 foram considerados vendidos. Mas outro dado que chama muita atenção na partida de quarta-feira está na ata de reunião de segurança e plano de operação de eventos. Disponível no site da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), o documento informa uma carga de 54.030 à venda, sendo que 50.480 seriam destinados ao Flamengo e 3.550 aos torcedores do Goiás.

Curiosamente, o próprio documento informa que os ingressos para a partida já estavam esgotados e, por isso, não haveria venda. Ainda assim, o público pagante informado no telão do Maracanã foi inferior à carga disponível para a venda, teoricamente esgotada. Além disso, a estimativa de público era de 61 mil pessoas. Mistério de números para matemático algum colocar defeito.

Fla vai tentar aumentar a carga para a final

Também chamou atenção na partida de quarta-feira no Maracanã o imenso espaço vazio na arquibancada do estádio ao lado da torcida do Goiás. Por motivos de segurança, o Grupamento Especial de Policiamento nos Estádios (GEPE) impediu que cerca de 6.550 lugares fossem comercializados. A medida fez a diretoria rubro-negra estimar prejuízo de mais de R$ 1 milhão em caso de final da Copa do Brasil.

Ainda para a partida contra o Goiás, o Flamengo tentou aumentar a carga para sua torcida ao vender as entradas devolvidas pela torcida adversária, mas não teve autorização. Para a final do dia 27 de novembro, o clube, mais uma vez, tentará convencer o GEPE e o Corpo de Bombeiros a aumentar a faixa da torcida rubro-negra e não deixar quase sete mil lugares vazios. O GEPE já se mostrou disposto a conversar.

Fonte: http://esportes.br.msn.com/futebol