domingo, 4 de novembro de 2018

Quando começou o horário de verão?

horário de verão no Brasil foi adotado pela primeira vez em 1 de outubro de 1931, através do Decreto 20.466, abrangendo todo o território nacional. É designado pela sigla internacional e equivale a UTC −2 (salvo em MT e MS, onde equivale a UTC −3, e sua sigla internacional é AMST (Amazon Summer Time)


Houve vários períodos em que este horário não foi adotado, porém desde 1985 o horário de verão é adotado anualmente. Ao longo do tempo a abrangência (inicialmente nacional) foi reduzida sucessivas vezes até que em 2003 atingiu a atual. Até 2007, a duração e a abrangência geográfica do horário de verão eram definidas anualmente por decreto da Presidência da República. Em 8 de setembro de 2008 foi publicado, pela Casa Civil da Presidência da República Brasileira, o decreto N° 6558 que definiu regras para as datas de início e término do horário de verão no Brasil.


Atualmente, o horário de verão é adotado nas regiões SulSudeste, e Centro-Oeste. Depois de oito anos sem observá-lo, o estado da Bahia, no Nordeste, aderiu em 2011. Em 2012, no entanto, a Bahia voltou atrás nessa decisão.

O horário de verão teve início na madrugada deste domingo (4), mesmo dia de aplicação da primeira etapa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). À meia-noite de ontem (3), os brasileiros das regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, que abrangem dez estados e o Distrito Federal, devem adiantar o relógio em uma hora.

Com a vigência do horário especial, o Brasil terá quatro fusos diferentes, uma vez que os estados das regiões Norte e Nordeste permanecerão no horário normal. 



Referencias
https://pt.wikipedia.org/wiki/Hor%C3%A1rio_de_ver%C3%A3o_no_Brasil
https://www.opovo.com.br/noticias/brasil/2018/11/horario-de-verao-e-adotado-a-partir-da-madrugada-deste-domingo.html


quinta-feira, 5 de abril de 2018

Macarrão é considerado 'bom carboidrato' e não engorda, sugere estudo

Via: HuffPost Brasil

Anos apontado como o grande "vilão" do emagrecimento e alimentação saudável, o macarrão, na verdade, não induz o ganho de peso. Um novo estudo, realizado por pesquisadores do Hospital St. Michael, em Toronto, Canadá, sugere que comer massa pode, na verdade, ajudar na perda de peso.


Para chegar à conclusão, os pesquisadores monitoraram por 12 semanas o peso corporal, massa muscular, gordura corporal e circunferência abdominal de pessoas que participaram do estudo. Elas ingeriram, em média, 3 porções de massa por semana em vez de outros carboidratos. Cada porção é igual a meia xícara de massa cozida.

Os participantes não só não ganharam peso, como também emagreceram: em média, cada um perdeu cerca de meio quilo.

O estudo, publicado na última terça-feira (3) na publicação científica British Medical Journal concluiu que o macarrão tem baixo índice glicêmico, e portanto, pode ser considerado um carboidrato "bom". Isso significa que ele, apesar de ser carboidrato, induz menos picos de açúcares que outros alimentos da mesma classe.

Alimentos de alto índice glicêmico, como pão branco, batata frita e barra de cereal, podem causar pico de açúcar no sangue, o que induz maior produção de insulina. A questão é que, quanto mais o hormônio é produzido, maior o apetite após a ingestão destes alimentos e maior a possibilidade do corpo armazenar gordura.

Por outro lado, carboidratos "bons", que têm baixo índice glicêmico, saciam por mais tempo. Estão neste grupo carboidratos como batata doce, lentilhas, alguns legumes, etc. "O macarrão, no contexto de padrões dietéticos com baixo índice glicêmico, não afeta negativamente a gordura corporal e até reduz o peso corporal e o IMC (Índice de Massa Corpórea) em comparação com padrões alimentares de alto índice glicêmico", resumiu o estudo.

Mas, antes de correr para o restaurante italiano mais próximo e se esbaldar com uma macarronada, é preciso lembrar que o estudo utilizou como parâmetro apenas meia xícara de macarrão três vezes por semana. Para a nutricionista Haley Hughes, a chave para alimentação saudável é a moderação.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

REGRAS DO FUTSAL IRÃO MUDAR (EM PARTE)

futsal mundial deve passar por mudanças significativas. A Fifa, entidade que regula o esporte, aprovou alterações nas regras do jogo, em reunião realizada durante a disputa da Uefa Euro de Futsal, na Eslovênia, vencida por Portugal, no último fim de semana.
A principal novidade se refere às cobrança de lateral e escanteio, que agora poderão ser feitas também com as mãos, e não apenas com os pés, de acordo com a intenção do jogador. A regra pode soar estranha para os mais jovens, mas até 1989, quando a Fifa assumiu as normas do futsal, os laterais do futebol de salão eram todos cobrados com a mão.
Além desta, mais três propostas de mudança foram aprovadas pelo órgão regente do futebol e do futsal, mas ainda precisam ser homologadas: o uso do goleiro-linha se limitará apenas à equipe que estiver perdendo; goleiros não poderão lançar bolas no campo de ataque (ela deve bater no campo de defesa ao menos uma vez antes de ultrapassar a linha do meio-campo); e as decisões por pênaltis, assim como ocorre no futebol de campo, deverão ter cinco batedores designados por equipe, e não três, como atualmente.
FONTE: https://veja.abril.com.br