sábado, 21 de março de 2015

POLÍCIA APREENDE MAIS DE 2 MIL CAIXAS DE MEDICAMENTOS NO INTERIOR DO CEARÁ



As ações ocorreram nos bairros Santa Luzia e Seminário no Crato. Ação foi deflagrada no início de fevereiro, com prisão de duas pessoas
A Polícia Civil do Estado do Ceará realizou, na manhã desta quarta-feira (18), a segunda parte da “Operação Máfia do Cytotec” desencadeada por policiais civis do município do Crato, a 567 Km de Fortaleza. No total, cerca de 2,1 mil caixas de medicamentos de procedência ilícita foram apreendidas e duas pessoas foram presas. As ações ocorreram nos bairros Santa Luzia e Seminário no Crato.
De acordo com a polícia, foram cumpridos mandados de busca e apreensão e de prisão nas residências de dois suspeitos. O primeiro de 26 anos, sem antecedentes criminais, na Rua Francisco de Sousa Brasil – no bairro Santa Luzia, e outro de 33 anos que já responde por violência doméstica, na Rua Audízio Teles Pinheiro, no Seminário.
Comprimidos sem nota fiscal
Nas residências vistoriadas, a polícia encontrou 10 mil comprimidos divididos em cerca de 2,1 mil caixas de medicamentos. “Os remédios não possuem notas fiscais, a procedência é desconhecida. Isso torna o caso um crime hediondo. Como não se sabe nem a procedência, não podemos afirmar se são medicamentos verdadeiros ou falsos”, declarou Diogo Galindo,  delegado municipal do Crato.
A dupla foi conduzida a sede da delegacia da cidade, onde foi autuada em flagrante por venda de substancia medicamentosa de procedência ignorada – prática considerada como crime hediondo, e por venda de medicamentos vencidos. Durante as investigações, a Polícia descobriu que eles distribuíam os remédios em toda a região do Cariri e nos Estados do Piauí e da Paraíba.
Primeira etapa
A ação foi deflagrada no início de fevereiro, com a prisão de duas outras pessoas responsáveis pela venda do remédio abortivo Cytotec no município do Crato. O grupo é suspeito de vender anabolizantes, medicamentos vencidos e sem origem comprovada.
A operação teve o apoio do Ministério Público do Estado, que expediu vários mandados de busca e apreensão e prisão preventiva em face dos suspeitos apontados como distribuidores dos medicamentos na região.

Fonte: Globo.com