terça-feira, 19 de maio de 2015

SERIÉ A - BRASILEIRÃO: DEMISSÃO DE TREINADORES



COM FELIPÃO, CLUBES DA SÉRIE A JÁ PROMOVERAM OITO SAÍDAS DE TÉCNICOS EM 2015

Ao deixar o Grêmio nesta terça-feira, Luiz Felipe Scolari engrossou a lista de troca de treinadores nesta temporada

Ao pedir demissão e deixar o Grêmio nesta terça-feira, após somar apenas um ponto nas duas rodadas iniciais do Campeonato Brasileiro, Luiz Felipe Scolari se tornou o oitavo técnico a ter o trabalho interrompido precocemente em 2015 entre os 20 clubes que integram a Série A nacional. De janeiro, quando os elencos iniciaram a pré-temporada, a maio, a média é de mais de uma troca de comando por mês.

Confira na galeria os técnicos que perderam emprego este ano em clubes da Série A:
Luiz Felipe Scolari e sua comissão técnica deixaram o Grêmio após a segunda rodada do Campeonato Brasileiro. 

Após ser demitido pelo Santos, Enderson Moreira foi contratado pelo Atlético-PR em março, mas deixou o clube em 20 de abril: um mês e oito jogos no comando.  

Muricy Ramalho foi demitido pelo São Paulo em 6 de abril. Estava no clube desde setembro de 2013.  

Wagner Lopes treinou o Goiás por apenas 15 jogos e foi demitido no dia 2 de abril. Hélio dos Anjos foi contratado.  

Cristovão Borges foi demitido pelo Fluminense no dia 23 de março. O clube contratou Ricardo Drubscky, demitido pelo Vitória.  

Claudinei Oliveira foi técnico do Atlético-PR até 15 de março. 

Geninho levou o Avaí à Série A, mas pediu demissão. Ficou no clube até 14 de março.  

Enderson Moreira foi demitido pelo Santos no dia 6 de março.  

Luiz Felipe Scolari e sua comissão técnica deixaram o Grêmio após a segunda rodada do Campeonato Brasileiro.  

Após ser demitido pelo Santos, Enderson Moreira foi contratado pelo Atlético-PR em março, mas deixou o clube em 20 de abril: um mês e oito jogos no comando. 

O Atlético-PR, por exemplo, já promoveu duas saídas de técnicos. Em março, demitiu Claudinei Oliveira, por causa da má campanha no Campeonato Paranaense, e contratou Enderson Moreira para dispensá-lo após oito jogos.


Após duas rodadas do Brasileirão, outro treinador convive com a pressão por resultados abaixo do esperado: Ricardo Drubscky, bastante criticado após a derrota do Fluminense por 4 a 1 para o Atlético-MG, no último domingo.