sábado, 24 de outubro de 2015

Morte de Fiscal em Campo Grande (MS) marca o 1° dia do Enem.

Aconteceu várias coisas no evento que englobou responsabilidade, principalmente que pode direcionar rumos da sua vida. A educação é e sempre será o precursor do sucesso do ser humano, e o Enem proporciona dois sentidos: o antes e o depois do nosso sistema educacional.

Veja fatos que ocorreu no primeiro dia.
-----------------------------------------------------------------------------------
Além dos tradicionais atrasos e eliminações por porte de objetos indevidos, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano teve uma morte, cinco emergências médicas, apagões em 19 escolas e uma candidata desclassificada por postar uma foto em redes sociais. O balanço foi divulgado no fim da tarde deste sábado pelo ministro da Educação, Aloizio Mercadante.

A fiscal de provas Tatiana Macedo de Carvalho, de 22 anos, teve uma crise convulsiva na universidade em que aplicaria o Enem, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Ela chegou a ser socorrida pelos médidos que estavam no local, mas não resistiu.

Segundo o ministro, 364 candidatos foram eliminados no primeiro dia de exame - 330 por usar equipamentos eletrônicos, ausentar-se do local de prova antes do horário estabelecido ou por não seguir orientação dos fiscais. Os outros 34 foram flagrados pelos detectores de metais com objetos proibidos dentro das escolas.

O índice de abstenção no primeiro dia de provas foi de 25,31%, em torno de 1,8 milhão de pessoas, número menor do que o verificado no ano passado. O maior índice foi registrado em Roraima, com 34,9%, e o menor na Paraíba, com 20,67%. Dos 7,7 milhões de inscritos, 6,9 milhões confirmaram a presença, acessando o cartão de confirmação.

O ministro ainda lamentou as "cenas dolorosas e tristes" dos candidatos que pederam a prova por chegarem após o fechamento dos portões, às 13 horas em ponto. "Isso só deixará de acontecer quando os participantes se planejarem e forem prudentes", comentou. Mercadante também disse que os boatos de que uma escola de Brasília teria deixado alunos entrarem poucos minutos depois das 13 horas será devidamente apurado. Segundo ele, a regra é clara e não cabe "jeitinho".