segunda-feira, 7 de maio de 2012

EMANUEL, ESCREVI ESTE TEXTO EM SUA HOMENAGEM..

ESTA HISTÓRIA, PODE SER REAL, PODE SER IMAGINÁRIA.

Fiz meu primeiro cocô no trono, olhando para ela...minha mãe, tão meiga e singela.
Ela me fez crer que era um trono mágico, que retirava sozinho as coisas que precisava sair de dentro da gente.
Acreditei e, era mágico mesmo (não o trono, mas as palavras de minha mãe)
Disse minha primeira palavra - "mã" -  desta vez não estava olhando para ela, mas eu a sentir desde o meu nascimento. Palavra pura como a palavra original - mamãe.
Andei os primeiros passos em direção ao som suave de uma voz que dizia - vem querido, você consegue.
E consegui, aí percebi que o som é tão importante quanto o olhar (nos dá coragem ditas pela pessoa certa)
Cheguei à escola com vontade de chorar. Andei vários minutos de costas com medo de que minha mãe fosse embora.
Sorri, ao ve-la também andando de costas e sorrindo, aí percebi que chorava à toa, pois ela estaria sempre comigo não importa como ou onde eu estivesse.
A minha vontade de chorar ao entrar na escola, foi relembrado quando conclui os estudos. E lá estava ela, minha mãe em prantos, choro de alegria, e eu a abracei com um enorme sorriso no rosto.
Estava apaixonado, e minha mãe, confidente da minha vida, passou logo um sermão: - amor é coisa séria !!!
Seriedade é ser amado por você, mãe...Mesmo pelas coisas amargas que fiz, pelos desaforos juvenis que te disse, pelas inverdades cometidas, pelos segredos não contados. E você me ama, apesar de tudo isso, minha mãe.
O tempo, tirou-a de mim. Por breve momento, ao ve-la no seu estado físico imóvel.
E foi a única vez em que a olhei, a chamei, a abracei, a sussurrei e ela ficou imóvel, parada, sem me responder com aquele olhar, com o "oi, meu amor", ou com um  abraço, ou com um sorriso, ou com um sussurro.
Deus a levou. O tempo apenas tirou a parte fisica que vemos, mas a sinto todo dia, ao meu lado, no acordar e no dormir.
...
Hoje, vou dormir ao seu lado, peço que seja minha mãe, onde está, assim como foi aqui na terra.
(Autor do Blog)

Emanuel, Sentiremos saudades!!!